Gandhi, Mandela e Luther King: as autonarrativas dos ativistas e o diálogo por direitos humanos

Nunca foi tão oportuno se debruçar sobre a história de figuras públicas que viveram e lutaram pelos direitos humanos no momento em que testemunhamos movimentos de opressão e riscos à democracia em todo o mundo. Nunca foi tão urgente falar sobre como esses nomes que sacudiram a humanidade narraram suas próprias jornadas. Quais vozes escutaram? Que valores defendiam como inegociáveis? Neste livro, Ingrid Gomes Bassi mergulha sobre as autobiografias de Mahatma Gandhi, Martin Luther King Jr. e Nelson Mandela para analisar como construíram suas ações. Como esses visionários pregaram, em suas obras autobiográficas, palavras como “amor” e “práticas não violentas”? A pesquisa acadêmica não é o resumo desses rastros ou uma investigação filosófica. É um convite ao entendimento desses conceitos à luz da comunicação. Maria Cleidejane Esperidião, jornalista, pesquisadora e docente. Dotada de sensibilidade e rigor científico sem igual, Ingrid Gomes Bassi escreve este livro, resgatando a história da causa da não violência e da justiça de três enormes personalidades mundiais: o indiano Mahatma Gandhi (1869-1948), o estadunidense Martin Luther King Jr. (1929-1968) e o sul africano Nelson Mandela (1918-2013). Esse compêndio é resultado de exaustiva pesquisa ancorada na hermenêutica como método e ainda consegue abordar temas como: direito à ternura, “love”, diálogo e alteridade; tópicos que definem completamente Bassi. Também aqui se encontra a possibilidade do entendimento de que, ao se comunicar aos seus iguais os indícios da violência e fazê-los se “enxergarem” como portadores de direitos, essas vítimas de diversas discriminações são mobilizadas a se organizarem e a resistirem, o que sempre foi, é e será um risco. Assim, este trabalho nunca foi mais atual e urgente de ser lido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *