Já viste como chora uma cerejeira?

“Da combinação nem sempre homogênea de etnografia e teoria surge precisamente este livro, que está estruturado em quatro capítulos: “A enfermidade”, “A cidade”, “O confinamento” e “A linguagem”. (p.16)(…) Os dados etnográficos utilizados para a elaboração deste livro provém do meu trabalho de campo em diferentes instituições psiquiátricas de Barcelona ao longo de três anos (1990-1993).” (p.18) “A loucura nos coloca no espelho da nossa própria ignorância. Talvez seja por isso que às vezes respondemos ante ela com certezas hipertrofiadas. Alguns veem na loucura cérebros mórbidos. Outros, uma estrutura do sujeito derivada da forclusão do nome do pai. Alguns veem problemas cognitivos; outros dinâmicas familiares e vínculos duplos. Na minha perspectiva, tudo isso é tão válido quanto errado. Válido se serve como uma hipótese que abre caminhos e tem consciência de sua natureza provisória. Errado quando a teoria prende o sujeito e sua vida e os subsome em um diagnóstico, em um julgamento e a partir daí não vemos mais nada, apenas nossas próprias teorias e certezas, apenas nós mesmos. Não há surpresa ou aprendizado nessa perspectiva e, como disse Aristóteles, sem surpresa não há conhecimento.” (p.12-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *